Journée internationale des femmes - 8 mars

Atualizado: Abr 20

Por Robson Adriano

Uma singela homenagem a todas as mulheres que deixaram sua marca na história.

Selecionamos personalidades femininas que se destacam pela inteligência, criatividade e coragem!

Como não conseguiremos falar de todas, aqui estão algumas que fizeram a diferença. São biografias marcantes que nos conquistaram com suas histórias de vida e sempre na vanguarda...


Escritora: George Sand (1804 – 1876).

George Sand - cujo nome verdadeiro é Amantine Aurore Lucile Dupin - foi a primeira mulher a viver do trabalho como escritora. Ela publicava peças de teatro, contos, críticas literárias e crônicas políticas. Esta primeira feminista causou um escândalo ao escolher um pseudônimo masculino. Ela usava fantasias masculinas e tinha muitos relacionamentos apaixonados com homens e mulheres.

Alguns eram famosos, como Alfred de Musset e Chopin. Militante, se opôs a Napoleão III e à proclamação do Império em 1851, e defendeu o proletariado. Sua vida pessoal se reflete em muitos de seus romances, e ela nunca parou de escrever por quase 50 anos.

Cantora: Barbara

Bárbara, nome verdadeiro Monique Andrée Serf, foi um ícone da música francesa. Nascida no 17º arrondissement de Paris em 1930, tornou-se conhecida pela voz tocante em canções melancólicas que resistem ao tempo. Foram vários sucessos como L'Aigle Noir, Une petite cantata, Ma plus belle histoire d’amour; Dis quand reviendras-tu?, La solitude, Nantes, Le mal de vivre. São todas canções cult, muito específicas de uma das mais famosas cantoras dramáticas do século XIX. Além disso, desde 2010, o Prêmio Barbara é concedido anualmente aos novos talentos da musica francesa.

Frase marcante: "A voz é a música da alma."

Resistência: Joséphine Baker

Natural de Saint-Louis (EUA), Freda Joséphine MacDonald foi uma das primeiras celebridades femininas e negras. Polivalente, ela cantava, dançava, fazia comédia e participava ativamente da resistência francesa. Joséphine Baker chegou a Paris na década de 1920 e após ser rejeitada pelo fato de ser mais conhecida em Nova York, tornou-se uma grande estrela de um show de cabaret: La Revue Nègre. A musa dos pintores da época, adorada pelos músicos jazzísticos, Joséphine Baker é uma das figuras mais famosas de Paris. Em 1939, ela se tornou uma agente de contra-espionagem. Terminada a ocupação, depois de ocultar muitas mensagens em sua pontuação e obter informações clandestinamente, ela continuou ativa em ações pela Cruz Vermelha. Mais tarde, vítima de segregação violenta no retorno aos Estados Unidos, ela fez uma campanha vigorosa contra o racismo.

Frase marcante: "Eu tenho dois amores ... Meu país e Paris."

Estilista: Coco Chanel

Nascida em 1883, Gabrielle Chanel foi a fundadora de uma das mais famosas e elegantes marcas de alta costura e perfumes do mundo. Coco Chanel virou a moda de cabeça para baixo, usando tecidos não convencionais (como jersey), desenhando cortes andrógenos, retos, vestindo calças e cortando o cabelo bem curto. As suas criações, vanguardistas e sóbrias, contrastam com as usadas pelas "mulheres elegantes da época". Em 1926, Coco Chanel desenhou o famoso vestidinho preto. Por que isso é uma revolução? Porque na época ainda era uma cor reservada para o luto. O modelo torna-se um clássico da grife e, de maneira mais geral, da moda.

Frase marcante: "A moda desaparece, só o estilo permanece."

Cientista: Marie Curie

Marie Sklodowska, casada com Pierre Curie, nasceu na Polônia em 1867. Física e química, é particularmente conhecida pelo trabalho realizado com o marido sobre a radiação, pelo qual recebeu metade do Prémio Nobel de Física em (1903). Marie Curie é a primeira mulher a receber o Prêmio Nobel e continua sendo a única mulher que teve dois (recebeu o de química em 1911). Hoje ela é uma das 4 mulheres enterradas no Panteão (de 76). Em breve 5, já que as cinzas de Simone Veil serão transferidas para lá neste verão.

Frase marcante: "Na vida, nada é temer, tudo deve ser entendido."

Atriz: Catherine Deneuve

Rosto de Jacques Démy e François Truffaut, atriz internacional, ganhadora de dois César, Catherine Deneuve é uma das maiores atrizes francesas de sua geração. Nos anos 1960, fez campanha pelo direito ao aborto, em particular assinando o manifesto 343. Ativista pelos direitos da mulher, hoje faz parte da polêmica da tribuna "contra o puritanismo" escrita em reação ao #MeToo movimento. Quer concordemos ou não, Catherine Deneuve continua a ser uma atriz e cantora francesa excepcional.

Seus filmes fazem sucesso até hoje como La belle de jour, Potiche, Le dernier métro, Huit femmes e vários outros...

Frase marcante: "Homens encantadores encantam a todos, mesmo em uma porta."

Filósofa e escritora: Simone de Beauvoir

Nascida e falecida em Paris, Simone de Beauvoir foi uma grande filósofa, romancista, teórica (especialmente sobre o existencialismo) e ativista feminista. Companheira de Sartre, nunca se casou: "O casamento duplica as obrigações familiares e todas as tarefas sociais. "(A Força da Idade). Simone de Beauvoir é autora do livro "O Segundo Sexo", hoje considerado um marco da literatura feminista.

Frase marcante: "Ninguém é mais arrogante com as mulheres, mais agressivo ou mais desdenhoso do que um homem preocupado com sua virilidade."

Pintora: Rosa Bonheur

Se você pensava que Rosa Bonheur era apenas o nome de alguns restaurantes da moda parisiense, que bom que está lendo este artigo! Pelo seu nome completo, Marie-Rosalie Bonheur, Rosa foi uma grande escultora e pintora francesa, mas não só. Especializada em cenas de vida e pintura e escultura de animais, ela foi a primeira pintora mulher a receber a Legião de Honra em 1865. Em 1894, ela se tornou a primeira mulher a ser promovida ao posto de oficial. Mulher independente, ela sempre se recusou a se casar: "O casamento torna as mulheres subordinadas aos homens", diz ela. Uma de suas pinturas mais conhecidas, ``Arando Nivernais``, pode ser encontrada hoje no Musée d´Orsay.

Frase marcante: "A agricultura deve ter seu lugar e sua classificação."

Política: Simone Veil

Simone Veil, cujas cinzas foram transferidas em 1º de julho de 2018 para o Panteão, é uma das maiores figuras do feminismo na França. Sobrevivente de Auschwitz, Ministra da Saúde, é a ela que devemos a legalização do aborto. Primeira Presidente do Parlamento Europeu, Ministra dos Assuntos Sociais, Simone Veil também foi uma mulher de letras: em 2010, entrou na Academia Francesa! Ela é ainda hoje a 6ª mulher a sentar-se na instituição literária, conhecida por ser extremamente conservadora (leia-se machista).

Frase marcante: “Não há nada mais enfadonho do que um comício eleitoral. Um dia adormeci durante a minha própria fala.”